A pedra da loucura só está na cabeça do outro?

por Fernando do Valle

Por volta do século XV, charlatães pretendiam curar a insanidade com uma pequena incisão no crânio, como em um passe de mágica, retiravam a pequena pedra da loucura da cabeça do desajustado. A prática falsamente assegurava aos outros pacatos cidadãos a proteção dessas figuras inadequadas que desestabilizavam suas convicções.

A catarse do público no espetáculo da retirada da pedra da loucura assemelha-se aos rituais de pastores televisivos, a purgação dos males do mundo em poucos minutos regozija a audiência e traz conforto para enfrentar as agruras reais, muitas vezes insuportáveis.

xtração da pedra da loucura Hieronymus_Bosch

A extração da pedra da loucura” (data provável: entre 1475 e 1480), quadro do holandês Hieronymus Bosch; a inscrição do quadro é “Mestre, extrai-me a pedra, meu nome é Lubber Das”, Lubber Das era um personagem tolo da literatura da época

Hoje muitos clamam para a retirada da pedra da loucura de seu oponente, daquele que não concorda com sua visão de mundo, o acusador não tem pedra no cérebro, o equilíbrio é sua tônica em sua conduta impecável, como diria Sartre, “o inferno são os outros”.

As crenças do outro incomodam e o desejo de ordem domina a mente de muitos, que confiam em suas máscaras construídas pelo medo, com elas podem circular incólumes pelas ruas rumo ao shopping mais próximo.

Nas redes sociais, o opositor é o louco, “como esse cara pode acreditar nisso”, com isso formam-se pequenas bolhas em que os iguais se protegem dos loucos de outras bolhas.

O diálogo cessa com o outro que não se encaixa no que pretendo para o MEU país, para a MINHA família, o outro faz parte do time adversário e vivemos em uma eterna briga de torcidas de futebol.

Bruegel_pedra_da_loucura-f

“Uma operação na cabeça” (1550) do pintor holandês Pieter Bruegel

Sem loucura, não há arte, não há utopia, não há vida.

Sou blogueiro e jornalista. Pai de Lorena, santista e obcecado por literatura, cinema, música e política.

Facebook Twitter 

Deixe uma resposta