Mortalidade infantil no Brasil caiu 73% nos últimos 25 anos, segundo OMS

A mortalidade infantil no Brasil caiu 73% nos últimos 25 anos, segundo dados divulgados ontem (dia 9) pela Organização Mundial da Saúde (OMS). De acordo com o relatório Níveis e Tendências da Mortalidade Infantil 2015, o índice de mortes entre crianças brasileiras menores de 5 anos passou, em 1990, de 61 óbitos para cada mil nascidas vivas para 16 óbitos para cada mil nascidas vivas em 2015.

Apesar dos avanços, a OMS destacou que as disparidades persistem no país. O estudo indica que, dos cerca de 5,5 mil municípios brasileiros, mais de mil registraram taxa de mortalidade infantil de até cinco óbitos para cada mil nascidas vivas em 2013, enquanto em 32 cidades a taxa superava 80 óbitos para cada mil nascidas vivas.

mortalidade infantil queda

Mortalidade infantil cai 73% nos últimos 30 anos (fonte: Geledés Instituto da Mulher Negra)

Além disso, crianças indígenas que vivem no Brasil têm duas vezes mais chance de morrer antes de completar o primeiro ano de vida que as demais. Segundo o relatório, esse tipo de exemplo demonstra que, mesmo em países com níveis relativamente baixos de mortalidade infantil, são necessários maiores esforços para reduzir as disparidades entre diferentes grupos sociais.

Historicamente, os índices brasileiros de mortalidade de recém-nascidos eram muito elevados. Por exemplo, em 1945, perto de 250 bebês, entre 1000 nascimentos, morriam em Salvador antes do aniversário de um ano. No interior ainda mais miserável, a situação era ainda mais dramática.

Em 2003, a média de mortalidade infantil nos estados brasileiros era de 29,7/1000. Dez anos depois, em 2013, alguns estados ainda apresentam índices elevados, a maior foi observada no Maranhão, de 24,7 bebês mortos a cada mil nascidos vivos. O menor resultado foi de Santa Catarina: 10,1 bebês por mil nascidos vivos.

Com informações da Agência Brasil.

Sou blogueiro e jornalista. Pai de Lorena, santista e obcecado por literatura, cinema, música e política.

Facebook Twitter 

Deixe uma resposta