O caminho zen

 

“O monge zen o advertirá para que não se deixe consolar a fim de esquecer a dor, nem espere uma cura pelo tempo. Sua cura só advirá se ele aceitar seu destino e assumir serenamente o que este lhe impõe, sem indagar por que, logo a ele, coube tamanho sofrimento. Quem conseguir isto – embora cheio de dúvidas – desenvolve-se na dor e dela se livra, aprendendo cada vez mais a abstrair-se do fato de tratar-se de sua própria dor”.

Extraído da página 107 de O caminho zen de Eugen Herrigel (Editora Pensamento).

 

Sou blogueiro, jornalista e criador de conteúdo. Pai de Lorena, santista e obcecado por literatura, cinema, música e política.

Twitter 

Deixe uma resposta