O desabafo de um paulistano

por Otávio de Carvalho

Sou um paulistano dos tempos de ir de bike de Moema ao Ibirapuera quase toda tarde. Considero essa cidade minha também, mas não vejo há tempos o cidadão paulistano com a empatia de outrora, a que devia ter pelos meus conterrâneos.

Talvez porque uma avó seja do Pará e a outra gaúcha, sempre me vi como brasileiro e ponto. Nunca entendi Pobre Paulista do IRA! ou as vinhetas da Rádio Jovem Pan, as achava estranhamente excludentes, já que Sampa é somente uma esquina para ver os Brasis que nela existem.

Se Sampa queria ser Milão no início do Século 20, agora quer ser uma Miami fake, que esconde o próprio centro e as periferias. Nossa elite é mais rica em ódio e preconceito do que em grana. E até a periferia mimetiza esse sentimento.

Foi em São Paulo com seu bairrismo provinciano que aprendi a não gostar dos argentinos e cariocas.

Foi em São Paulo que aprendi a não gostar dos nordestinos.

Em São Paulo me imaginei e me comportei como esse povo besta que se acha superior.

Aprendi na GV, na USP, na FAAP e ESPM todo elitismo e ignorância possíveis, mas sempre com as melhores notas ;-)

Mas o tempo é rei, consegui mudar.

desabafo paulistano foto 1

Viajando, vi que o boliviano era mais pobre que qualquer morador de favela de São Paulo e que mesmo assim mantinha suas tradições e cultura.

Que o carioca e o nordestino sabem viver e receber bem seus vizinhos.

Que o jeito entrão e despachado dos nortistas, gaúchos e mineiros é repleto de verdade e autenticidade. Fui a Cuba e voltei após 20 anos e vi todas mentiras que contam sobre lá.

Saquei que o México e o Peru são nosso Egito e Mesopotâmia. Que a Amazônia não é o jardim do quintal, somos nós que vivemos no quintal dessa casa.

Vi que nossos índios são os mestres dessa terra ocupada que destruímos sem medo do amanhã. Não sou mesmo Borba Gato.

Prefiro o Cristo Redentor mesmo que seus braços abertos não salvem ninguém.

Queria para a minha cidade os parques de Buenos Aires, os bares e o espírito do Rio de Janeiro, a inocência e o prazer de viver dos nordestinos, bolivianos e mexicanos.

Também vi a sabedoria de ver o tempo passar dos nossos vizinhos uruguaios e o orgulho do passado ancestral dos peruanos do altiplano.

Chega né!

Mas não me mandem embora, só me vou daqui quando eu mesmo decidir. Moro hoje bem no centro da paulicéia mais que desvairada, na babel democrática do Copan, prédio louco onde Oswald de Andrade teria pirado e se reinventado antropofagicamente após um porre na Roosevelt ou na Dom José Gaspar.

Apesar dessa super conexão, é foda essa falta de identidade com os da minha terra e o paradoxo da intimidade com tantas coisas de outros lugares.

Pau no Dória, Haddad, Kassab, Serra, Pitta, Maluf, Erundina, Jânio, Covas, Barros, Faria Lima… que merda vocês fizeram!?!

A cidade não sabe o que será dela mesma no futuro… sem planos nem perspectivas fora do caos. Hoje eu montaria uma empresa de demolição, para destruir a horrível Praça da Sé e fazer dela um Zócalo inspirado na city dos chilangos.

Não sobraria nenhum elefante inacabado, nenhum dos bregas edifícios neoclássicos, nem os arranha-céus descontrolados do Morumbi, Tatuapé, Moema, Santana ou da Lapa.

Esses lugares precisam de vilas como as dos anos 20 e a vida voltaria para as ruas.

Aprendi o que era mundo nos paralelepípedos da Rua Normandia entre dezenas de famílias de classe média de verdade, aquela sem os meios de produção, mas que ainda achava bom ter vizinhos e que compartilhavam o que abundava em clima de festa comunal.

Hoje “a rua” é um quase shopping sem alma, numa Moema lotada de gente, mas onde ninguém é vizinho de ninguém.

Sim, eu vou pro mundo, mas também vou pôr o dedo nas feridas dessa cidade e ver se quem sabe ela acorda desse sonho colonizado de Ter e não de Ser.

Paulistanos! O que mais vale?

Ter a roupa, o carro, a casa, o celular e a viagem certa… Ou Ser alguém legal de verdade ou que faz a diferença?

Sobre os rocks preferidos que retratam a cidade, me vem à mente dois versos de canções emblemáticas, num deles dos irmãos Vecchione se diz: “A Paulicéia desvairou, a Paulicéia pirou, pirou”:

E noutro o 365 implorava: “Desperta São Paulo”:

45 anos vividos nessa cidade louca, hora de lutar e celebrar com todos psicotrópicos disponíveis?

Sim, claro, mas dessa vez pronto para chutar o balde e ver o que vai dar se formos sempre em frente… sem se importar que a vida é uma corrida desenfreada para a morte.

Então vamos correr inspirados e viver os sonhos, dar um basta em tudo que não for de verdade ou banhado no amor, que acaba sendo a única arma para lutar até nosso destino de eternidade chegar.

Pesquisador e Coordenador de Estudos sobre a América Latina na Universidade Nacional do Vietnã.

Twitter 

Deixe uma resposta