O país da Política

por Almandrade

À medida que o mundo envelhece, o homem deveria aprender a resolver, de forma mais confortável, sua relação com a natureza e com os valores éticos e estéticos. Ao contrário, chegamos ao século XXI, sujando as cidades, adulterando o meio ambiente enquanto a política comercializa votos e apoios como se a vida fosse uma ficção pobre de imaginação. Mas o pior é que a política é uma realidade cara à nação, com pouca contribuição para resolver os nossos problemas. Passamos o tempo falando de partidos políticos, corrupção, correndo atrás de bola, pesquisas eleitorais. Quando não estamos de olho nas imagens da televisão e lendo manchetes que não enriquecem a paisagem cultural. Um tempo perdido.

E assim vamos vivendo uma vida de eleitor/voyeur de irregularidades e mordomias de uma república que não nos pertence. O problema não está na direita ou na esquerda, mas na prática política que vem desqualificando a saúde, a educação, a ciência e a cultura, consequentemente a cidadania. Quanto custa uma eleição e a manutenção de um parlamentar para os cofres públicos? Quando faltam recursos para a saúde pública, a educação, as pesquisas científicas, a proteção do meio ambiente e a habitação popular, sobram para as campanhas políticas. A primeira impressão que temos da política, no atual contexto, é que ela, além de ser um gasto desnecessário, é uma forma de controle do pensamento, pois confina o discurso do cotidiano aos limites dos interesses partidários.

18 de abril pais da politica

Será a democracia uma opção que não deu certo? Um país para crescer e garantir o direito de liberdade a todos os cidadãos precisa de mais ciência e cultura do que partidos políticos, de mais competência e menos militância na administração e nas decisões. Somente assim vamos pensar em solucionar os nossos problemas e garantir para a maioria a possibilidade de viver com o mínimo de dignidade.

No interior de um país existem vários países, no Brasil, o país da política dominou e silenciou todos os outros. Há uma supervalorização da “fala política” que invade todos os espaços: o domicílio, o trabalho, a universidade, o espaço urbano. Também pudera, quem não gostaria de se tornar um parlamentar? Ter um belo salário e um trabalho que não exige uma qualificação profissional? Além do mais um político tem poder até para legislar sobre assuntos que escapam a sua competência. São os senhores da nação e nós, pobres eleitores, somos os seus servos. Mas tudo isso é tema para romance de analista político, não é da minha conta. “Sobre aquilo que não se pode falar, deve-se calar”. Talvez não seja agora o momento para citar Wittgenstein. Acredito que o discurso político para ser democrático é imprescindível o circuito de outros discursos, como forma de desenvolver o conhecimento de nossos próprios problemas e aprofundar nossa relação com o mundo.

Artista plástico, poeta e arquiteto

Facebook 

Deixe uma resposta