Toda mulher é meio Leila Diniz*

1969 – Hermelina, Hermé para os mais chegados, casou virgem. Impaciente, ela aguarda seu marido no sofá da sala com o jantar servido na mesa, levanta, desliga a TV e volta a se sentar com o abusado hebdomadário Pasquim nas mãos. Na capa, a foto da atriz da última novela que assistiu com uma toalha na cabeça. Hermé lê a entrevista da atriz, sente um comichão, deixa um bilhete para o marido esquentar o jantar e vai dar uma volta na praia. Por lá, encontra amiga enfurecida com aquelas bobagens que aquela ‘atrizinha metida e prafrentex’ vinha falando.

Para as mulheres do final dos anos 60, não havia alternativa, ou se tinha comichão ao ouvir o que pensava Leila Diniz ou raiva, muita raiva. Libertária, desbocada e dona de uma sensualidade cultivada em horas e horas de praia, Leila Diniz chutava o balde das carolas e caretas da época. O poeta Drummond resumiu o que ela representou pra sua geração: “Sem discurso nem requerimento, Leila Diniz soltou as mulheres de vinte anos presas ao tronco de uma especial escravidão”.

Leila Diniz, foto de David Drew Zingg

Leila Diniz, foto de David Drew Zingg para a capa da Revista Realidade (1971)

“Casos mil; casadinha nenhuma. Na minha caminha, dorme algumas noites, mais nada. Nada de estabilidade”, Leila Diniz, em entrevista ao Pasquim.

Se estivesse viva, Leila Diniz completaria 70 anos no dia 25 de março deste ano. Aos 24 anos, Leila foi entrevistada pela trupe do Pasquim, alguns deles seus amigos. A entrevista foi publicada no número 22 em 15 de novembro de 1969. Os 71 palavrões que Leila soltou durante a gravação foram substituídos por asteriscos. Jaguar, Tarso de Castro, Sérgio Cabral, Luiz Carlos Maciel e Paulo Garcez foram os entrevistadores.

Obviamente os militares não gostaram da entrevista e baixaram decreto de censura prévia à imprensa que ficou popularmente conhecido como Lei Leila Diniz. Em programa da Rádio Batuta, do Instituto Moreira Salles, comandado por Joaquim Ferreira dos Santos, autor do livro “Leila Diniz: uma revolução na praia”, podemos ouvir trechos da lendária entrevista.

leila diniz e betty faria

Betty Faria e Leila Diniz nas areias de Ipanema (imagem do fotógrafo Antonio Guerreiro)

“É gozado: meu pai, por exemplo, não fala palavrão. Lá em casa não se dizia nem cocô: a gente falava fezes. Tinha de ser tudo naquela base, que são palavras muito mais feias do que os palavrões. Mas o palavrão virou realidade em mim e quando as coisas são de verdade, as pessoas aceitam”, Leila ao Pasquim.

Leila apaixonou-se pelo diretor de cinema Domingos Oliveira com apenas 17 anos. Já separados, em 1967, ela estrelou “Todas as Mulheres do Mundo”, filme de Oliveira.  Foi dirigida novamente pelo ex-marido em Edu, Coração de Ouro, em 1968. Antes, a atriz formou-se no magistério e dos 15 aos 17 anos de idade foi professora do maternal e jardim de infância no subúrbio carioca.

Leila tornou-se um rosto conhecido ao participar das primeiras novelas da Rede Globo como Eu Compro Esta Mulher (1966) e O Sheik de Agadir (1966/1967), ambas de Glória Magadan, autora cubana radicada no Brasil. Leila atuou em 14 filmes e 12 novelas na TV. Não gostava muito de atuar no teatro: “acho teatro chato: aquela coisa de fazer toda noite a mesma coisa”. Em novembro de 64, teve um pequeno papel na peça O preço de um homem, de Steve Passeur, ao lado da atriz Cacilda Becker.

Nascida em Niterói, Leila vivia entre Ipanema e Copacabana. Filha de Newton Diniz, dirigente do Partido Comunista, foi criada pela madrasta e pelo pai. Grávida de Janaína, de seu relacionamento com o cineasta Ruy Guerra, a atriz foi à praia por recomendação médica, que havia aconselhado banhos de sol para o bebê. Involuntariamente, Leila e sua barriga de oito meses nas areias do Rio simbolizaram a busca pela liberdade feminina em um país que vivia a opressão política e tentava se libertar da ignorância e do preconceito. Quando Janaína nasceu, Leila a amamentava em público. Na época, as feministas acharam Leila só uma porra-louca e a mulherada de direita “apenas mais uma mulher desfrutável”.

Leila Diniz grávida

Leila Diniz grávida de Janaína (foto de David Drew Zingg em 1971, do acervo IMS)

 “Acho que cada um deve fazer o que lhe faz bem. Se você fumar maconha e achar que isso lhe cura, acho ótimo. O importante é amar as pessoas e sentir uma certa felicidade, apesar da zona ao seu redor”, Leila Diniz ao Pasquim.

Além dos militares, a atitude libertária de Leila não agradava a cúpula das emissoras de televisão e ela passou a ser mais chamada com menos frequência para trabalhar na TV. Com isso, passou a participar de filmes de diretores que eram seus amigos como Nelson Pereira dos Santos, com quem filmou “Fome de Amor” em 1968. Sobre esses diretores, Leila disse: “a gente vai fazer cinema com quem a gente gosta… essa patota não tem dinheiro”. Com a grana curta, Leila chegou a abrir uma loja de batas indianas, moda na época.

Leila morreu com apenas 27 anos em 14 de junho de 1972, quando retornava de um festival de cinema na Austrália, onde ganhou o prêmio de melhor atriz pelo filme Mãos Vazias. O DC-8 da Japan Airlines caiu no momento que sobrevoava a Índia. Sua filha Janaína tinha apenas sete meses.

 leila diniz banda de ipanema

Leila Diniz como madrinha da Banda de Ipanema no carnaval

 “Eu espero amar ainda muitos homens na minha vida. Vou amar sempre… Você pode amar muito uma pessoa e ir pra cama com outra. Isso já aconteceu comigo”, Leila Diniz ao Pasquim. 

Dalva de Oliveira canta e Leila dança:

Trecho do filme “Todas as mulheres do mundo”:

“Eu estava dizendo que sou uma pessoa sem sentido porque meu sentido é esse: eu gosto de me divertir, pô”, Leila Diniz, em entrevista ao Pasquim.

Fontes usadas: Livro O Pasquim, antologia volume 1 e Rádio Batuta.

* Título retirado da música “Todas as mulheres do mundo” de Rita Lee.

Sou blogueiro e jornalista. Pai de Lorena, santista e obcecado por literatura, cinema, música e política.

Facebook Twitter 

Deixe uma resposta