O beat William Burroughs e o rock

Imortalizado como a figura beat por excelência, o escritor William Burroughs virou, em suas últimas décadas de vida, um verdadeiro oráculo do mundo do rock. O velho Bill participou de clipes de bandas como Sonic Youth e Ministry, entrevistou David Bowie para a Rolling Stone norte-americana. E não parou por aí: Kurt Cobain acompanha Burroughs na leitura de um de seus escritos e Frank Zappa e Patti Smith pediram a bênção para o ícone da contracultura.

William Burroughs nasceu em Saint Louis, nos Estados Unidos, em 5 de fevereiro de 1914  e morreu em 2 de agosto de 1997. 

Em 1974, Burroughs entrevistou David Bowie para a Rolling Stone norte-americana

Em 1974, Burroughs entrevistou David Bowie para a Rolling Stone norte-americana

 

Leia a entrevista de Bowie a Burroughs em português no blog Socialista Morena

O  filme Drugstore Cowboy (1989), dirigido por Gus Vant, retrata a vida de um pequeno grupo de junkies. Burroughs interpreta o padre Murphy, um velho viciado em drogas, que filosofa sobre a relação das drogas com a política. Veja o trecho:

Burroughs escreveu novelas, memórias e poesia. Ele também pintou, fez colagens, tirou milhares de fotografias, produziu centenas de horas de gravações experimentais, atuou em filmes e gravou mais cds do que muitas bandas de rock.

 O pintor Francis Bacon (à esquerda) e William Burroughs ( Londres, 1989 - foto de John Minihan)

O pintor Francis Bacon (à esquerda) e William Burroughs ( Londres, 1989 – foto de John Minihan)

Na década de 1940, Burroughs mudou-se para Nova York, onde iniciaria sua carreira literária e faria amizade com Jack Kerouac e Allen Ginsberg, entre outros escritores beat. Teve inúmeras experiências com alucinógenos e foi viciado em diversas drogas, incluindo morfina.

Em 1951, matou sua mulher em um acidente com arma de fogo, o que ele próprio mais tarde reputou como experiência definidora para sua carreira de escritor. Dois anos mais tarde, lança sua obra mais conhecida, Junky, com o pseudônimo William Lee. Outro livro que o tornou conhecido foi Almoço Nu, lançado na França em 1959.

Na década de 60, o também escritor Norman Mailer afirmou: “William Burroughs é o unico romancista norte-americano que inegavelmente carrega genialidade em sua obra”. Burroughs morreu em 2 de agosto de 1997, na cidade de Lawrence, nos Estados Unidos.

5 de fevereio William Burroughs 

“Não nos damos conta de até que ponto a história é ficção. O passado em grande parte é uma invenção dos vivos. E a história é um montão de coisas fabricadas. Não há fatos de verdade”

William Burroughs

 

Burroughs no clipe do Ministry (1992)

Burroughs com Sonic Youth

Kurt Cobain acompanha com sua guitarra leitura de Burroughs

O escritor e tradutor Eduardo Bueno, o Peninha, fala sobre Burroughs

 

Fontes: blog Socialista Morena , site Obvious (texto de Guilherme Ziggy)  e site da Editora L&PM.

Sou blogueiro, jornalista e criador de conteúdo. Pai de Lorena, santista e obcecado por literatura, cinema, música e política.

Twitter 

4 Comentários

  1. João Paulo de Almeida diz:

    O texto é legal, mas colocar esse merda do Eduardo Bueno é que estraga, ou seja, é uma parte a menos para se ver, não se perde nada.

    • Olha, não curto muito o Bueno, mas achei muito legal a fala dele, principalmente a narração do encontro que ele teve com o WSB. Inveja do Bueno por ter tido o prazer de conhecer esse monstro da contracultura pessoalmente. Portanto, não entendi muito bem a sua crítica.

  2. Pingback: Para conhecer algo de William Burroughs, que faria cem anos | Liberdade! Liberdade!

  3. Pingback: Pare conhecer algo de William Burroughs, que faria cem anos

Deixe uma resposta