A doutrina hollywoodiana contra os árabes

por Roberto Acioli de Oliveira

 

“Se pudermos ter shows de televisão e filmes que mostram a excitação e a importância da vida militar, eles podem ajudar a gerar uma atmosfera favorável para o recrutamento” (1)

Kenneth Bacon, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos (Pentágono) durante o governo Bill Clinton

O cineasta Theo van Gogh (bisneto do irmão do pintor Vincent van Gogh) apoiou a invasão do Iraque e teve problemas com os judeus por suas posições em relação ao Holocausto. Em 2004, Mohammed Bouyeri assassinou o cineasta em Amsterdã, na Holanda. Mesmo que Van Gogh nutrisse inimizades entre os judeus, o motivo foi um filme onde denunciava os maus tratos às mulheres no Islã. Tudo se encaixa, um muçulmano fanático mata um ocidental civilizado (e branco). Seria apenas mais uma manchete de jornal se não escondesse uma questão mais complexa.

 kill all arabs hollywood árabes

Grafite comum em casas de palestinos em Hebron, na Cisjordânia, (foto de 2002)

O escritor Jack Shaheen nos lembra que tudo em nossa vida começa com a repetição. Quando estamos estudando, até que possamos responder a tabuada sem pensar. Para decorar o alfabeto, datas históricas e fórmulas matemáticas. Poderíamos somar mais exemplos, como o condicionamento pela repetição que nos faz utilizar talheres nas refeições. Repetimos orações, repetimos nossa fala quando não somos compreendidos. Repetimos, repetimos, repetimos, repetimos, repetimos, repetimos, repetimos, repetimos. Há muito tempo que os brasileiros repetem que são brancos, que não vivemos num país racista. Estamos, aqui no Brasil, começando a repetir a ideia de que pobre e bandido são a mesma coisa! (Uma rápida olhada no Congresso Nacional seria suficiente para provar o contrário). Josef Goebbels, o Ministro da Propaganda de Hitler, disse certa vez: “Minta, minta que alguma coisa fica”. Todos os políticos e caluniadores em geral sabem disso, uma mentira repetida milhares de vezes acaba virando uma verdade. Aliás, Goebbels ajudou muito a disseminar a ideia de que o problema maior da Alemanha eram os judeus.

cartaz de o judeu eterno ódio aos judeus

Cartaz do pusilânime filme “O Judeu Eterno”, filme produzido por Hitler para denegrir a imagem dos judeus

Ele não inventou isso, apenas reforçou um sentimento xenofóbico presente entre os alemães. Deu no que deu. Atualmente, o governo de Israel repete que os palestinos nunca têm razão quando reclamam ou atacam aquele país. Aqui e ali, alguns tentam repetir a ideia de que o Holocausto não aconteceu. Aconteceu! É um fato! E agora acontece com os palestinos. É um fato! Onde, então, encontrar uma informação correta sobre os fatos? Na mídia? Faz tempo que aqueles que deveriam informar estão mais preocupados em prender o público com pílulas de notícias/bobagens até que venha o próximo intervalo – o que parece importar é o dinheiro do patrocinador. Aquilo que se chama comumente de consciência crítica deixa cada vez mais de ser vista como um elemento básico do ser humano, algo que o diferencia das baratas… Cada vez mais, o que parecem repetir é: sejam baratas, esse é que é o certo, o que está na última moda! Nada de reflexão, apenas repetição!

 o Judeu Süss goebbels holocausto

Cartaz de “O Judeu Süss”, filme anti-semita patrocinado por Goebbels

De acordo com Shaheen, por mais de cem anos Hollywood utiliza a repetição como instrumento de aprendizagem-doutrinação das plateias mundo afora. Ele prova isso! Shaheen se refere especificamente a como os árabes são retratados por essa parte (hegemônica) da indústria norte-americana do cinema. A difamação é sistemática, os estereótipos e os clichês são tão abundantes que contaminam até as pessoas honestas e as políticas públicas norte-americanas. Essa capacidade de desumanizar um povo, já vista na Alemanha de Hitler, parece não incomodar ninguém, ocupados que estão a… entreter-se. Sim! Cinema é entretenimento…

No Brasil, cuja indústria cinematográfica é sistematicamente sufocada, nem temos muita chance de fazer isso. No caso dos pobres no Brasil, nós, os espectadores, os entregamos ao sadismo pedante dos noticiários de uma tv que não esconde os interesses financeiros e políticos que fazem mais esse crime compensar. Existem alguns filmes brasileiros que mostram a pobreza. Que problematizam a pobreza e mostram (para quem ainda tiver neurônios funcionando) o que está por trás da desumanização do pobre/negro. Muitos não gostam desse tipo de filme, acreditam que denigre a imagem de nosso país. Mas, o que é um país? O que faz de nós um país? Porque incomoda tanto que tenhamos coragem de mostrar nossas entranhas?

O cinema italiano do pós-guerra mostrou muito das mazelas sociais daquele país: desemprego, déficit habitacional, corrupção, banditismo, machismo, ausência de políticas públicas para os idosos e para os jovens. Em filmes como Vítimas da Tormenta (Sciuscià, direção Vittorio De Sica, 1946), Ladrões de Bicicleta (Ladri di Biciclette, De Sica, 1948), Milagre em Milão (Miracolo a Milano, De Sica, 1950), Umberto D (De Sica, 1952), A Terra Treme (La Terra Trema – Episodio del Mare, direção Luchino Visconti, 1948) e Rocco e Seus Irmãos (Rocco e i Suoi Fratelli, Visconti, 1960), a população daquele país, com uma ampla cultura cinematográfica, se enxergava na tela.

Outra atitude possível seria falar apenas dos outros. Se você puder manipular a imagem dos outros e ainda por cima transformar tudo em… entretenimento, melhor ainda! Aparentemente, é isso que uma boa parte do cinema de entretenimento norte-americano decidiu fazer. O árabe, explica Shaheen, foi construído como o “outro”, aquele que os norte-americanos devem usar como modelo para marcar sua diferença. Todo o problema é que essa diferença foi construída artificialmente em torno de estereótipos e clichês que não correspondem à realidade.

 árabe preconceito Aladin

Imagem de árabe em Aladdin, desenho animado produzido por Walt Disney em 1992

“(…) Visto através das lentes distorcidas de Holllywood, os árabes parecem diferentes e ameaçadores. Projetado junto com linhas raciais e religiosas, os estereótipos estão profundamente impregnados no cinema [norte-]americano. De 1896 até hoje, os cineastas acusaram coletivamente todos os árabes como inimigos públicos nº 1 – brutais, cruéis, fanáticos religiosos incivilizados e ‘outros’ culturais loucos por dinheiro propensos a aterrorizar ocidentais civilizados, especialmente cristãos e judeus. Muito aconteceu desde 1896 – o sufrágio das mulheres, a Grande Depressão, o movimento por direitos civis [nos Estados Unidos], duas guerras mundiais, as guerras da Coréia, do Vietnã e do Golfo, e o colapso da União Soviética. Durante tudo isso, a caricatura do árabe em Hollywood rondou a tela prateada. Ele está lá – repulsivo e não representado como sempre.

Grafite no muro que Israel está construiu em torno dos palestinos na Cisjordânia  (terra palestina que o Estado judeu invadiu há décadas e de lá não saiu)

Grafite no muro que Israel construiu em torno dos palestinos na Cisjordânia (terra palestina que o Estado judeu invadiu há décadas e de lá não saiu)

O que é um árabe? Em incontáveis filmes, Hollywood responde: árabes são assassinos cruéis, estupradores sujos, fanáticos religiosos, milionários do petróleo estúpidos, e que maltratam mulheres. ‘Eles [os árabes] todos se parecem para mim’, ironiza a heroína [norte-]americana no filme The Sheik Steps Out (direção, Irving Pichel, 1937). ‘Para mim, todos os árabes se parecem’, admite o protagonista em Commandos (direção, Armando Crispino, 1968). Décadas depois, nada mudou. Ironiza o embaixador [norte-]americano em Hostages (direção de Hanro Möhr e Percival Rubens, 1986). ‘Eu não posso diferenciar um [árabe] de outro. Embrulhados naqueles lençóis, todos parecem iguais para mim’. Nos filmes de Hollywood, eles certamente se parecem”. (2)

— Originalmente publicado com o título Isto é Hollywood!, no blog Corpo e Sociedade, em 01 de novembro de 2009.

  1. SHAHEEN, Jack G. Reel Bad Arabs. How Hollywood Vilifies a People. Massachusetts: Olive Branch Press, 2º ed., 2009. P. 22.
  2. Idem, p. 8.

Graduado em Ciências Sociais (1989 – UFF), Mestrado e Doutorado em Comunicação e Cultura (1994 e 2002 – ECO-UFRJ). É autor de artigos para os catálogos das Mostras Filmes Libertam a Cabeça – Rainer Werner Fassbinder (CCBB-RJ, 2009), A Itália e o Cinema Brasileiro (REcine, Arquivo Nacional-RJ, 2011), REcine ri à Toa (REcine, Arquivo Nacional-RJ, 2012) e Luis Buñuel. O Fantasma da Liberdade (Fundação Clóvis Salgado-MG, 2012). Contribui para as revistas online dEsEnrEdoS e RUA (UFSCar). Para a Revista online Acesso Livre (nº1 – janeiro/junho, 2014. Pp. 62-78), contribuiu com Conexão Espaguete: Cinema e Política na Itália. Mantêm três blogs: Cinema Europeu (http://cinemaeuropeu.blogspot.com.br/), Cinema Italiano (http://cinemaitalianorao.blogspot.com.br/) e Corpo e Sociedade (http://corpoesociedade.blogspot.com.br/).

Deixe uma resposta