A caçada a Lamarca

Depois de caminhar por mais de 300 quilômetros, o guerrilheiro Carlos Lamarca foi assassinado em 17 de setembro de 1971 por agentes da ditadura militar no sertão baiano. No comando da patrulha que assassinou Lamarca, estava o major Nilton Cerqueira, que, anos mais tarde foi eleito deputado federal e trabalhou como secretário de Segurança do Rio de Janeiro.

Um dos comandantes da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) e militante do MR-8 (Movimento Revolucionário 8 de Outubro), Lamarca foi um dos símbolos da resistência ao regime militar e morreu antes de completar 34 anos.

Baseado no livro Lamarca, o Capitão da Guerrilha, publicado em 1980 pelos jornalistas Emiliano José e Oldack Miranda, o filme do diretor Sérgio Resende conta a história do guerrilheiro, interpretado por Paulo Betti.

Ironicamente, no filme de Resende, Cerqueira é vivido pelo ator Zé de Abreu, conhecido pela defesa implacável de suas posições de esquerda. Resende abordou outra história dos anos de chumbo no filme Zuzu Angel, de 2006.

Carlos Lamarca foi o terceiro entre os seis filhos de Antônio e Gertrudes Lamarca, uma família modesta da zona norte carioca. Formou-se, em 1960, pela Escola Militar das Agulhas Negras, em Resende (RJ), obtendo a patente de Capitão em 1967.

Mas foi em São Paulo, no quartel de Quitaúna, para onde pediu transferência em 1965, que Lamarca, fez sua opção revolucionária. Na época, Lamarca acompanhava com grande interesse o grupo de ex-sargentos que, inicialmente vinculado ao Movimento Nacionalista Revolucionário (MNR), uniu-se a um setor dissidente da Política Operária (POLOP) e deu origem à Vanguarda Popular Revolucionária (VPR).

Já como membro da VPR, Lamarca realizou uma ação de expropriação no quartel de Quitaúna em 24 de janeiro de 1969 em que levou 63 fuzis, metralhadoras e muita munição. Sua ideia era seguir imediatamente para uma região onde pudesse preparar a guerrilha, o que o obrigou, de imediato, a separar-se da mulher e dos filhos, enviados para Cuba, via Itália, no mesmo dia de sua deserção.

Carlos Lamarca em treinamento com sua companheira Iara Iavelberg

Carlos Lamarca treina funcionárias de um banco na prevenção de assaltos quando ainda era militar

Em abril de 1971, em discordância com a VPR, ingressou no Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8). No mês de junho, Lamarca foi para o sertão da Bahia, no município de Brotas de Macaúbas, com a finalidade de estabelecer uma base da organização no interior.

Com a prisão em Salvador, em agosto, de um militante que conhecia seu paradeiro e a localização de um aparelho onde se encontrava sua companheira, a psicóloga paulista Iara Iavelberg (que também foi namorada do ex-deputado José Dirceu), os órgãos de segurança iniciaram o cerco à região.

A namorada de Lamarca, Iara, foi assassinada por agentes do governo em um apartamento no bairro da Pituba, em Salvador, no dia 20 de agosto de 1971. O regime militar sempre sustentou que ela cometeu suicídio após o cerco policial, o que foi desmentido pelas investigações posteriores. Hoje há provas suficientes de que foi mais uma mentira do governo da época.

Saiba mais sobre Iara Iavelberg 

Um tiroteio travado entre a polícia e os irmãos de José Campos Barreto, o Zequinha, que acompanhava Lamarca, obrigou-os a iniciar uma longa e penosa rota de fuga, de 28 de agosto a 17 de setembro. Ao descansarem à sombra de uma baraúna, foram surpreendidos pela repressão. Lamarca estava desnutrido, asmático e provavelmente com a doença de Chagas.

 fontes:  revista Istoé e Grupo Tortura Nunca Mais – RJ.

Sou blogueiro, jornalista e criador de conteúdo. Pai de Lorena, santista e obcecado por literatura, cinema, música e política.

Twitter 

24 Comentários

  1. cristóvão diz:

    Viúvas da ditadura me deixam deprimido……

  2. nilsonvidaloka diz:

    você sabia que exercito até hoje ainda não sabe como foi que as armas sairam do quartel, eu sei e muito bem, foi moleza.

  3. aleximalki diz:

    Bem. Os militares, inúteis por natureza, sustentaram o golpe de 64. Golpe contra a lei da época. João goulart não era comunista, não havia necessidade para golpes. Então,estes militares se aproveitaram das circunstâncias e assumiram o governo. Muitos enriqueceram. O dinheiro dos assaltos a banco nunca era devolvido. Interessante.

  4. HIDERALDO diz:

    O regime comunista defendido com unhas e dentes por pessoas subversivas, só trouxe dor, miséria, fome e mortes para as pessoas. Por isso este regime simplesmente JÁ FALECEU, Ja IMPLODIU. É uma pena que aqui na nossa América Latina ainda existam tantos acéfalos lunáticos que se acham no direito de tentar USAR O “SOCIALISMO DO SECULO XXI” para escravizar seus povos e matar seus opressores como faz o senhor MADURO (Venezuela) E O SENHOR FIDEL CASTRO (Cuba) tão admirados pelos vermelhinhos tupiniquins. O comunismo defendido por Lamarca e seus lacaios, é a institucionalização da inveja, da miséria, da fome, da falta de tudo. Só o chefe de estado e alguns cupinchas de dão bem o resto é jogado na vala comum. NÃO SE ENGANEM: COMUNISMO não vai “dividir riquezas” vai sim dividir a miséria…O COMUNISMO vai contra a prosperidade, contra a família, contra a liberdade, contra a felicidade. Um aviso aos jovens defensores de comunistas:NUma eventual ditadura comunista, A PRIMEIRA COISA QUE VOCÊS PERDERIAM SERIA SUA INSEPARÁVEL INTERNET… PENSEM BEM…

    • Eu publiquei seu comentário já que o Zonacurva é um espaço democrático e é bom aproveitarmos por enquanto a internet já que depois do super golpe comunista na América Latina, não teremos nem mais isso, rs, cada uma que parece duas, abraço

  5. velhobolchevique diz:

    A legenda da foto de Lamarca dando instrução de tiro está errada.Não é Iara Iavelberg,e sim funcionárias de um Banco.

    • Caro Velho Bolchevique, fui checar com Emiliano José, autor da ótima biografia de Lamarca, aliás eu recomendo e realmente você tem razão. Ele ainda me informou a ironia da foto: Lamarca está treinando funcionárias de um banco para prevenção de assaltos quando ele ainda era militar, vou retificar no texto, muito obrigado pela sua observação, forte abraço.

  6. “Como é perigoso libertar um povo que prefere a escravidão”.

  7. Ana Paula diz:

    Sugiro, por favor, que troque no texto a parte de que Iara cometeu suicídio. A farsa do suposto suicídio de Iara já foi desmontada pelas comissões da verdade, com base no depoimentos de várias testemunhas.

  8. Clécio Tadeu diz:

    Roubou fuzis para fazer o que ?
    Meu Deus, e os Srs são Brasileiros mesmo ?
    Que regime estranho esse que ainda estão tentado aportar em nosso pais.
    Estes desejos vem de países que não respeitam em nada os Direitos Humanos.
    Acredito que Cuba, Coréia do Norte e China (que executa criminosos), tenham ideais para todos vocês. Compartilhem seus bens com os menos favorecidos e talvez eu veja a consistência nestas manifestações comunistas. Deus que nos liberte.
    E VIVA O BRASIL POR SER ELE MESMO !!!!

  9. Li Lamarca, Capitão da Guerrilha no seu lançamento e após, várias vezes. Pode ser adquirido, a preço simbólico, na Estante Virtual. Não vi o filme, mas verei o vídeo. Sobre o Capitão Carlos Lamarca, confesso minha admiração por sua coragem, despojamento e respeito a princípios que transcendem o tempo. Diante da usurpação do exército brasileiro por golpe militar ianque em nosso país, invasão estrangeira em nossa cidadania, ele não perguntou se as forças inimigas seriam imensas. Forjado nos princípios de defesa da Pátria com sua vida, a imolou sem vacilar lutando contra um crime de lesa-humanidade e lesa-pátria que deixou feridas abertas em nossa História. Um crime de alta-traição ao Brasil, impune em toda sua extensão. Se errou, pagou com a vida e não há o que julgar na pessoa dele, nem na de brasileiros que lutaram contra a canalha ditadura ianque-militar. Suas figuras pertencem à História e só ela tem autoridade para julgar o quanto eles contribuíram para o seu avanço. De público, toda minha gratidão ao sofrimento de suas vidas para que eu pudesse viver uma fímbria de Liberdade e crer mais firmemente que princípios valem a pena. Peço que solenemente se mude o nome da Castelo, em São Paulo, para Rodovia Capitão Carlos Lamarca. Obrigado, Zonacurva, pela iniciativa.

    • Obrigado você, Luiz, grande abraço, Fernando do Valle

    • Claudio Fernandes diz:

      Meu Brasil! Fico profundamente espantado como se ivertem os valores partido de pontos de vista… Essa luta que se dizia ser benéfica para a NAÇÃO resultou na morte de varias pessoas que não precisavam morrer. Trasformar desertores em heróis, terroristas em simbolos nacionais é um fim de tudo, lutaram por um sistema que hoje está comprovado que não funcionou em lugar algum do planeta…

  10. claudevan melo diz:

    Salve a coragem do Capitão, poderia ficar comodamente a vida toda a sombra do soldo, mas a repugnancia a exceção, fê-lo um homem diferenciado. Salve Salve Salve

  11. Marcio Galante diz:

    Entrou em óbito ao confrontar forças legalistas, eu sugiro que vocês peguem um dicionário e descubram o significado de assassinado. Assassinado foi o Tenente Alberto Mendes Junior, morto por coronhadas depois de rendido. Lamarca morreu como traidor da pátria.

    • Um dos significados de assassinar no dicionário é 1.matar traiçoeiramente. Como está escrito no texto, “Lamarca estava desnutrido, asmático e provavelmente com a doença de Chagas”, ele poderia ter sido preso facilmente, mas foi assassinado.

    • Marcio, você esta corretíssimo, pois não existe assassinato em tempo de guerra e não foi o governo legalmente instituído do Brasil que começou esta guerra e sim os terroristas importados ou não que, usando táticas de guerrilha, estes sim, assassinaram soldados e até cidadãos que nada tinham a ver com a tentativa de golpe comunista no Brasil. Fico impressionado como ate hoje tem gente que defenda que estes terroristas tiveram justificativa para matar mas nosso governo, na epoca não, ainda que defendendo nosso povo, nossas instituições e nosso modo de vida capitalista, que pode ter defeitos, mas que nosso povo em sua esmagadora maioria assim deseja. FORA vermelhos, pois o Brasil é Verde, amarelo, azul e branco…

      • Anônimo diz:

        Marcio Galante acima, e seu fake, o Flávio, pra quem não sabe participam de organizações CRIMINOSAS E INTOLERANTES… responsáveis por inúmeras agressões e assassinatos… logo, dá pra deixar claro quem são os tipinhos mau caráter que não assumem que Lamarca é um herói do povo que habita essas terras por divergirem da ideologia dele (também não sou comunista).

        • MarkuwW diz:

          Herói?? Lamarca… aquele que é tido como um dos piores guerrilheiros que o governo militar enfrentou!!! É uma pena a história estar sendo escrita pelos perdedores inimigos do Brasil, história essa em que criminosos e terroristas são pregados como heróis nacional.. Vergonha!!

  12. Alexandre Rizzieri diz:

    Ainda não vi o filme, vale a pena ?

    • Vale a pena sim, Paulo Betti está muito bem no filme. Com certeza, o livro (infelizmente ainda não o li) sobre Lamarca do jornalista Emiliano José deve também valer a pena. Emiliano José é autor também de biografia de Marighella, esse eu li, e é um grande livro, abs

Deixe uma resposta